quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

NATURALMENTE "CALOTEIRO" E "AMORAL(LE)"


* Raquel Mendonça


Clique na Imagem para Ampliar 



Ninguém merece passar por isso - embora os muito bons na sua área artística passem pelo mesmo muitas vezes! - muito menos o nosso grande artista "Boi", o extraordinário cantor e compositor Pedro Boi!... Mas passou e ainda passa! Por essa o autêntico "Passarim Cantadô" norte-mineiro, filho querido do coração de toda Montes Claros, "Cidade da Arte e da Cultura", não poderia esperar! Um certo Nelson ou Nelsinho (A)Moralle Júnior, morador de São Roque, interior de São Paulo que, para parecer um artista verdadeiro, acabou de comprar um violão que não sabe sequer tocar, roubou-lhe, com a maior cara de "paisagem" do mundo, as 15 (quinze) músicas do seu álbum "Passarim", gravado em 2008, devidamente registradas junto ao ECAD, como "Francisco", "Jequitaí", "Mariana", "Meu Cavalo se chama Disco Voador" (que passou no falso CD a Histórias de Pescador, aliás, nome muito apropriado em sua mudança pelo falsário), "Meu São João", "Passarim Cantadô", "Passarinho Canoro", "Romance de Colibri" (que virou Colibri Apaixonado), "Saudade da Vila", "Su" (que se transformou em Sereia de Água Doce), "Tem dó", "Ventania" e "Zumbi", concebidas e compostas pelo excepcional artista, junto ao poeta e companheiro de cantoria Ildeu Braúna (Ildeu de Jesus Lopes), duas vezes Secretário Municipal de Cultura de Montes Claros, polo cultural e econômico da região e quinta maior cidade de Minas Gerais, com quase 400.000 habitantes!


De muito boa "concepção" e geração, pois, afinal, as suas músicas são "filhas" verdadeiras suas (como a bela e igualmente talentosa Mariana Morena!!), nascidas no solo fértil do grande sertão e cerrado norte-mineiros, na terra generosa do Gerais tão minas de puro ouro musical, e tão sonora e séria e verdadeira, como todas as suas canções, com tantos e tantos ouvidos atentos e testemunhais por perto, a atestarem a sua inspiração infinda e o seu infinito talento em composições que não acabam mais, tamanho o seu número e a idade verídica de cada uma delas! Fiquei mais que indignada, Boi, fiquei irada com esse homem de tão baixa estatura moral e musical! Olha, amigo, a fúria com tudo que vem inacreditavelmente sofrendo é geral! Será que esse caloteiro, Rei do "171" musical do país, que usou as suas músicas no disco "Naturalmente Brasileiro", lançado em 2010, não tem a menor vergonha do que fez, usando, ainda, indevida e criminosamente, o nome do grande e respeitado violeiro Almir Sater como "produtor e arranjador do CD e seu parceiro na música Vida de Violeiro" e as empresas Petrobrás, que já está tomando as devidas medidas judiciais, e a CEF como falsas patrocinadoras, a partir das logomarcas que aparecem na contracapa do disco?! Além do CD, compõe o "kit" do maluco sem nenhuma beleza um documentário batizado de "Quilombolas" (ele líder de Comunidade Quilombola de São Roque/SP?!), com que o infeliz se apresentou em casas de shows e até em programas de TV, tendo sido ainda entrevistado por rádios e enfeitado de mentiras matérias de inúmeros jornais! Sei que a justiça se fará nesse caso de tão óbvia "apropriação indébita da obra de arte alheia", mas, mesmo assim, ainda não me conformarei! Você me conhece bem, como bem o conheço, nesses trinta e tantos anos de luta, muitas vezes dolorosa e árdua, pela Arte, Cultura e História da cidade, e sabe que dou um boi para não entrar numa briga e uma boiada para não sair, especialmente quando a briga é de caráter ou cunho cultural e a vítima somente um dos maiores artistas populares da terra e que tem de todos que o conhecem e lhe reconhecem o incrível trabalho musical, aqui e alhures, a máxima admiração e respeito! Pior ou maior dos pecados do louco plagiador: as canções que aparecem no Cd do tal (A)Moralles haviam sido, sim, apenas "transferidas" para o seu disco, ou seja, ele estaria apenas dublando sobre a voz de Pedro Boi e, claro, assumindo a autoria de suas canções, mudando apenas o título de cada uma no encarte do malfadado e mal falado disco, em todos os canais e mídias, incluída a digital!


Estou, neste momento, com o vinil "Passarim" na mão, com Participação Especial de Saulo Laranjeira em "Passarim Cantadô" - gravado por Sérgio Reis - e Grupo Vocal Nós & Vós em "Passarim Canoro", garimpado nos arquivos artísticos da casa pela minha filha e sua fã, além de amiga e frequentadora - também nós - do seu tão bem cantado (cada show musical mais espetacular que o outro!) e encantado bar "Curralzim do Boi", onde leio com a mesma emoção de agosto de 93: "Raquel Mendonça, Sabias que a Cultura da terra está em tuas mãos? Um beijo no coração! Do amigo Pedro Boi". Retrato imenso seu, assinado por Chorró, se destaca na contracapa. Abaixo, os morros irmãos de Montes Claros e, acima, profusa procissão de bela e harmoniosa passarinhada! A maioria das composições assinada por você e Braúna, exceção das em parceria com Charles Boavista, Eustáquio Correia e Téo Azevedo, gravado no Stúdio 108 (Instrumental Produções) - em fevereiro/abril de 1993 - Belo Horizonte/MG. E o novo disco, em CD, traz de novo o seu "Passarim", com regravações dos discos anteriores e novos recheios musicais, bem como participações especiais de Laranjeira, Nós & Vós, e a filhona Mariana, tão musical e querida quanto o Pai!


Aqui ao lado Babi coloca outra relíquia artística: o vinil "Chegança" do lendário "Grupo Agreste", criado no dia 07 de janeiro de 1977, "após a realização do I Festival Universitário da Canção Popular - FUCAP, em Montes Claros. Até chegar ao seu primeiro disco, percorreu vários caminhos em cantilena. Exatamente três anos após a sua criação, tornou-se conhecido do poeta e cantador Téo Azevedo (...), que levou o grupo para São Paulo e o apresentou à Bandeirantes Discos, que não hesitou em gravar o seu primeiro LP, do qual foram incluídas duas músicas na trilha sonora da novela "Rosa Baiana" (ZUMBI e JAÍBA). Seus componentes são todos nascidos nas quebradas do São Francisco e trazem dentro d`alma o canto agrestino da chapada, da caatinga, dos gerais, do tabuleiro e do cerrado. Cantam as histórias do sofrido povo norte-mineiro, que sustenta, na sua maneira de cantar, a sobrevivência do chão sanfranciscano." Do mais que famoso e saudoso Agreste, era somente o PEDRO RAIMUNDO DOS REIS, o PEDRO BOI, tocador de viola, violão, acordeon e piano, cantor e compositor de primeira grandeza, parte tão especial - essencial - e importante do grupo! Na contracapa, foto de Pedro Boi, Daik (Vanderdaick), Carinha, Tom Andrade, Manoelito Xavier, Braúna e Gútia botando para quebrar e para tocar o coração de todos os seus fãs "Quebra de Milho" de Manoelito e Tom; "Cachoeirinha" de Pedro Boi e Braúna; "Razante" de Braúna e Sérgio; "Ave de Arribação" de Gútia, Pedro Boi e Manoelito; "Lamento Agreste" de Tom Andrade e Manoelito, "A - famosa - Lenda do Arco Íris", de Braúna e Pedro Boi; "A Praça da Matriz", de Pedro Boi e Braúna; "Ana Bela", de Téo Azevedo; "Messias Latino" de Gútia e Braúna; "Cantiga de Roda", de Manoelito Xavier e "Chegança" de Gútia. Participação especial de Zé Toco na bateria, gravado em setembro de 1982, no Estúdio MOSH-SP (Tradições Matuta Ltda./Gravações, Edições e Promoções) e dedicado ao jornalista do jornal "O ESTADO DE MINAS", Carlos Felipe e ao Norte de Minas, futuro "ESTADO DO SÃO FRANCISCO"!!! Plagiando o plagiador, "cê tá me entendendo" agora direito, Nelson Amorale, sujeito deslavado e vigarista de mão, mente e coração cheios de nada, só de mentiras, que nada valem, nem crescem como devem ou algo acrescentam na vida e obra de ninguém!!! As artes, os fatos e os feitos culturais são, indiscutivelmente e definitivamente, as melhores respostas de Boi, o Pedro!...


Se "Nelsinho" aprendeu a ler e a escrever somente aos 35 anos e não é nenhum José Barbosa dos Santos - ZÉ CÔCO DO RIACHÃO - ou um de seus dignos discípulos, ele que não tinha frequentado "banco de escola", mas reunia talento e sabedoria de sobra, "Mestre da Rebeca e da Viola" que ele mesmo fabricava, além de violões e cavaquinhos, considerado por TV alemã o "Beethoven do Sertão", pela excepcional qualidade de suas composições musicais (Vide o belíssimo "Vôo das Garças"...), estudado como fenômeno da música popular em grandes universidades do mundo, de cuja água melódica e milagrosa do Riachão de Mirabela/Brasilinha, você, Boi, (e tantos outros notáveis artistas da região) "bebeu" o mais que pôde, o que esse"Nelsinho Amoralle" tem para dizer agora, depois de totalmente desmascarado em sua vileza, tão feia e desastrosa vilania musical?! Antônio Abujamra chegou a chamá-lo de "exemplo de superação", em razão da leitura e escrita supostamente acontecidas aos 35, no programa Provocações da TV Cultura! Provocação maior impossível, do ponto de vista nefasto, profundamente negativo, que usou nomes como o de uma Clara Nunes, um João Bosco e um Alceu Valença, afirmando ao canal Rural que com eles "trabalhara"! Não é demais e demasiadamente abusado esse Nelson Nó cego, e inteiramente tolo quem nele ainda acredita e bota alguma fé no que afirma?!


Um plagiador barato, sim, e de longa data e picaretagens, que já teve prisão preventiva decretada pela Delegacia de São Roque, em 2006, por falsificação de documento e estelionato, a que chamou de "armação política", além de condenação outra em Sorocaba, não assume, como todo bandido de carteirinha, o crime cometido e ainda se diz "perseguido"! Pode?! Na classe política discurso de tamanha desfaçatez é lamentavelmente comum, mas, no meio musical, cheira mal, muito mal, especialmente quando afirma, sem o menor "pudor" ou "noção do que diz", "tocar muito mal - se é que toca, aliás, é óbvio que não toca - "Colibri Apaixonado"; "não ser músico coisa nenhuma"; "usar o violão apenas para compor cenário, em outras palavras" e "não saber cantar nenhuma das músicas de autoria tão longa e amplamente sabidas de Pedro Boi e Braúna que ousou gravar como suas"!... Não dá para entender mesmo, Boi, tamanha falta de vergonha na cara desse tremendo "cara de pau", que teria feito cento e duas apresentações somente em 2012, com o cachê variando entre R$ 1.500 a R$ 6.000,00! Você vale muito mais, meu querido! Seu talento musical imenso, carisma e simpatia, então, não têm preço!!


Como autêntica "Advogada sem Diploma de Artistas e Funcionários Públicos da cidade" - apelido de ex prefeito, a quem pelo menos isso agradeço - tenho vontade de voar até São Roque e botar esse sujeito ordinário para correr com algumas poucas mas certeiras palavras, honrando o meu compromisso maior com o Bem e com a Verdade, acompanhada por uma verdadeira legião de fãs que acumulou desde os tempos de sucesso nacional dos geniais "Grupo Agreste" (com Braúna, você, Manoelito...) e "Raízes" (Charles Boavista e cia), em 59 anos de idade e 35 de produtiva e brilhante carreira musical!... Quem é ele, esse "moço" torto, perto de tudo isso, além de ninguém?! E a JMS - Music, depois disso, como fica?! "TEM DÓ" de nós, né?!


Ah, Boi, e antes que eu me esqueça, bote o seu disco legítimo para tocar aí no Curralzim, dia sim, no outro também, sem se lembrar do rosto do moço que tanta raiva lhe trouxe, e faça, em desenho bem bonito, um sorriso imenso de orgulho do que é seu e ninguém tira nesse seu rosto limpo, sempre alegre, carinhoso, brincalhão, porque esse "moço" não merece tirar-lhe, além das músicas, a marca registrada de seu rosto límpido, que é o seu sorriso largo e permanentemente alegre! Pegue o sonoro violão há muito tempo seu, toque tudo que sabe muito bem e cante, só prá contrariar, "Colibri Apaixonado" e as outras quatorze mais, que o Nelson descaradamente roubou, de cor e salteado, como também nós - todos nós! - sabemos algumas, para deixar o invejoso ludibriador ainda em pior estado do que já está! Afinal, algumas de suas músicas ou muitas delas são mais que isso, viraram verdadeiros hinos populares do Norte de Minas inteiro, Rio São Francisco abaixo, Rio São Francisco acima!...


E conte sempre conosco, desde que cante, cante e cante as suas quinze músicas, o que é seu porque fez, criou, compôs, e está aí, há tanto tempo, puro e intacto, despertando emoção e beleza, Brasil afora, Brasil adentro! E leve adiante a sua Banda do Boi Bonito, especializada em Forró de Pé de Serra, em homenagem a Luiz Gonzaga, Dominguinhos, a Deus e todo o mundo... Porque um Pedro Boi da sua dimensão e importância cultural é, no mínimo, meu amigo, para sempre!...


Com profunda amizade e admiração!...

POR BAIXO DO PANO, ATRÁS DA CORTINA



* Raquel Mendonça




        Com um pouco apenas de atenção ou acuidade mental, você acaba por perceber muita coisa irregular ou errada, à sua volta, em todo canto, espaço, lugar; em todos as esferas, infelizmente, de poder, com cheiro intenso e insuportável de podre, passando, tantas vezes e sorrateiramente, por baixo do pano, atrás de (pesadas) cortinas, o que é profundamente lamentável! Não há quem não fique extremamente enojado, indignado e até mesmo irado, do outro lado, além de envergonhado!


        Mas estamos no Brasil, onde a corrupção é endêmica - embora trate-se de um mal globalizado, em cujo ranking o país continue muito "bem" posicionado - doença terrível que ataca, como uma peste, uma traça - das pragas que assolam o mundo, a corrupção é a acarreta maiores sequelas e piores danos, atrasos provoca à população e ao crescimento do país! - e sem o menor constrangimento, indivíduos lotados em todos os setores e níveis de poder, especialmente os mais contaminados, propícios, ou férteis nesse campo, assim como infinitas outras áreas de atividade ou atuação, que cometem os mais absurdos atos duvidosos ou práticas ilegais ou ilícitas e com a maior "cara de pau, paisagem ou psicopatia" do mundo!...


        Finalmente, no país, prospera movimento mais avançado e amplo de combate à corrupção, embora todos os ataques e até mesmo distorções ou más interpretações, aplicações que sofre a "Lei da Ficha Limpa", mas a verdade é que há, por outro lado, muita gente ainda - que, quero acreditar, não seja mais a maioria - capaz de se deixar subornar por tostões ou milhões, o que, em matéria de desvio de dinheiro público, é a mesma coisa ou mesmo crime; capaz de cometer todas as trapaças, falcatruas, maracutaias e malandragens do mundo, envolvendo-se em esquemas e mais esquemas de corrupção ou desvio de verbas públicas - do desvio de conduta ao desvio de dinheiro -, dos menores aos mais extensos e assustadoramente ambiciosos, que alcançam regiões, estado(s) ou todo o país! Sem contarem as "modernas máquinas" para lavagem do dinheiro nada limpo, arrebanhado por verdadeiras quadrilhas ou grupos políticos criminosos em ilicitudes de todas as espécies, cores, tamanhos, bandeiras e partidos, banhados de caras, bocas e sorrisos frios, sinistros, além dos óbvios, notórios e patéticos discursos, a encobrirem as intenções mais vis e desonestas, não deixando perceptível o alcance de esquemas ilícitos os mais altos ou inimagináveis! Sem contarem as incorreções, irregularidades e ilegalidades de toda ordem!


        O "Mensalão" está aí, sete anos depois, julgando, absolvendo, mas, milagrosamente, condenando... O "Mensalão Mineiro" também vem aí... e os mensageiros dos mensalinhos se espalham país afora, aproveitando-se da famosa falta de seriedade e caráter da maioria dos gestores públicos e da certeza quase sempre da impunidade, porque este é um dos "sobrenomes" ou "adjetivos" mais frequentes e recorrentes do Brasil: "País da Impunidade!", com as chamadas CPIs e mais CPIs caindo, no mais das vezes, em vazio abismal! Mesmo com as raras condenações por crimes de corrupção ativa ou passiva, gestão fraudulenta de instituições financeiras e órgãos públicos; peculato descarado, escancarado, desavergonhado, no desvio sorrateiro de rios e mais rios - verdadeiros mares! - do dinheiro público; improbidade administrativa e por aí afora, será que os valores tirados do bolso e da boca do povo voltará um dia, integralmente e devidamente corrigido, aos cofres assaltados e lesados, aos milhões de seus verdadeiros donos, famintos de saúde, educação, emprego, paz e segurança pública?!


        Por outro lado, tem espantado muita gente a forma como as pessoas, de modo geral, vêm recebendo essas notícias: como se algo normal, comum fossem, até mesmo legítimas - "quem não quer levar o seu (...)?! Quero também o meu pedaço, a minha fatia do bolo!" e inúmeros outras declarações de igual intenção e teor, independente da classe social ou nível de educação a que pertença o autor ou autores de tais desprezíveis, abjetas afirmações -, sem a natural indignação, externando até certo descaso, como se nada perdesse a coletividade com as ocorrências criminosas, ou simplesmente permanecendo caladas, em silêncio (muitos sob forte pressão e até mesmo ameaças - as piores... - constantes!), como que indiferentes a escândalos e mais escândalos de corrupção, com inúmeras denominações, que se sucedem em todos os pontos do país. 
        
        O baixo nível cultural ou de consciência política de grande parte da população poderia explicar parte desse imobilismo, desinformação ou alienação, mas nada justifica pessoas de certo grau de escolaridade e suposta formação moral considerarem normal arranjar um "jeitinho" bem brasileiro de "levar vantagem em tudo". "Tolos e burros os que não agem assim", cansei-me de ouvir de nomes supostamente "de elevado nível e formação moral indiscutível"!!...


        Na condição de Funcionária Pública Municipal de Carreira, concursada e efetivada no cargo de Técnica de Nível Superior II, que ocupamos na Prefeitura de Montes Claros, desde 1985 (antes trabalhamos como "Voluntária da Cultura"), desde sempre seriamente, corretamente e honestamente, graças a Deus, como a imensa maioria dos milhares de servidores públicos municipais concursados e muitos dos contratados, entre, obviamente, os que trabalham, recebemos, infelizmente, ofertas indecorosas de "propina" algumas vezes e das pessoas mais improváveis, de todos os "tamanhos e formas", para "liberar" isso ou aquilo ou para "facilitar as coisas", erradas, irregulares, ilegais, claro! Punha para correr, bem depressa, onde estivesse, tais figuras chulas, ordinárias e inacreditavelmente comuns, quem quer que fossem, com algumas boas, claras ou mesmo bravas palavras e, se a ocorrência se dava em nossa sala de trabalho, solicitava deixasse(m) imediatamente o espaço, antes que chamasse a polícia, lembrando-lhe(s) que o corruptor é tão criminoso quanto o corruptível ou corrompido! Aí "davam no pé", antes que perdêssemos de vez a paciência que nunca tivemos para tais casos e coisas!


        E as gordas ou magras "comissões" disso e daquilo, que parecem brincadeira; "começões", como arremata ou emenda grande amigo poeta, compositor e escritor?! E que muitos recebem como se justas, legítimas, sem atinarem para o fato de que morbidamente obesas são as "comissões/começões" daqueles que lhes contemplam com tostões, maiores ou menores, por isso ou aquilo, não correto ou constante do contracheque, apenas, na verdade, para lhes calar a boca ou comprar o seu precioso "silêncio" sobre o esquema ou rede de corrupção!


        De um senhor empresário (nome conhecido e da mais alta "classe social") da cidade, por exemplo, de suposta conduta moral ilibada, aparentemente acima de qualquer suspeita, tivemos de ouvir uma dessas propostas indecentes, completamente contrária à moral e ao direito, afirmando, ao fazer com "dois dedos" (o "fura bolo" e o "cata piolho"...) o gesto corriqueiro e vulgar referente a "dinheiro", que "na Prefeitura resolvo tudo dando um jeitinho, minha filha!" Com a calma máxima (a possível...), solicitei deixasse o setor, e que, considerando a sua idade avançada, tinha cinco minutos para virar a esquina da Praça da Matriz e o resto da vida para não voltar a me procurar!


        Um famoso "cara de pau", temporariamente na PMMC, em certa ocasião, ousou me propor o seguinte: "olha, sei que você não gosta disso, mas é muito dinheiro, só se você fosse burra para não aceitar, tem esse negócio aqui prá fazermos juntos (...............) e eu racho a grana meio a meio com você!" Resposta automática: Repita a proposta, seu desonesto nojento (...), e eu racho ao meio, sim, mas a sua cabeça, e não quero, daqui para a frente, o meu nome, trabalho e história envolvidos ou associados ao seu!!! Na sala ao lado, houve gente séria que ouviu o "agradável" diálogo, graças ao meu tom de voz já elevado por natureza (herança dos Souza Lima, de modo especial da minha madrinha e avó paterna Juracy Gero de Souza Lima Mendonça...) naturalmente, em razão da proposta asquerosa, "levemente" alterado!


        Sei que muitos, de todas as partes ou áreas de atuação, vivem de atos e ações ilícitos e ilegítimos, proibidos pela lei e contrários aos bons costumes, sem sequer imaginarem que "o amor excessivo ao dinheiro é o princípio de todos os males".Suborno atrás de suborno, caixinha atrás de caixinha, achaque atrás de achaque, fraude atrás de fraude, propina atrás de propina, bem como concorrências com nocivas interferências, processos de compra manipulado, num círculo vicioso sem fim! Alguns agentes públicos ou políticos ostentando verdadeiras fortunas, vastas riquezas materiais, morando em mansões duvidosamente "negociadas" ou mesmo "presenteadas" nas famosas "troca de favores" em licitações direcionadas ou fraudulentas, com grandes empreiteiras; circulando ao volante de carrões, frutos de ilicitudes ou ilegalidades, cometendo gastos incompatíveis com o seu salário ou ganho real! E ainda dormem à noite muito bem, obrigada, sem a consciência pesada, porque imaginam absolutamente naturais os na verdade crimes hediondos que cometem contra todos aqueles que deveriam ser beneficiados, e em todas as áreas, com os altos valores desviados dos cofres públicos! Quanto somariam os prejuízos no passado e presente que sofreu e sofre o erário público no país?!! Se tivessem ou fossem utilizados, investidos séria e integralmente em favor do bem estar da comunidade e desenvolvimento das cidades, em todos os setores necessários e carentes, não seríamos, hoje, um país sem tanta insegurança, fome, criminalidade e violência?!


        O suado e sagrado dinheiro público desavergonhadamente abocanhado no país inteiro, dos mensalões aos mensalinhos; das grossas pastas às fartas malas e sacolas; dentro da própria carteira, roupa, bolsa, bolso abaixo, peça a peça, inclusas as íntimas, é de arrepiar! Gente se locupletando no podre poder, ao arrombarem, com centenas de milhares de golpes, engendrados e finalizados atrás das mais grossas e porcas cortinas; escândalos e mais escândalos de corrupção, "Operações" e mais operações, com máscaras da psicopatia ou insanidade ao chão lançadas e diversos outros componentes ou compostos "naturais", associados à figura do famoso ou famosos "Laranja(s)", aos mais diversos "sucos" sujos misturados! 


        Corrosiva e impiedosa, a prática da corrupção é a maior causadora e fomentadora da miséria, onde quer que se instale! Há milhões de miseráveis no país, sem teto, infra-estrutura básica, passando fome, frio, sede (a trágica Seca Norte-Mineira está aí de novo, secando barragens, plantações, pastagens, sonhos, bocas, matando animais de todas as espécies, incluída a humana); sem saúde (médicos, medicamentos, exames, cirurgias, tratamentos...); escola e merenda de qualidade (quantas milhares de crianças só contam com a merenda escolar como alimento diário ou sagrado pão de cada dia?!); segurança; combate sério e eficaz às drogas e à violência, sem o mínimo que seja de sobrevivência digna, abaixo, muito abaixo da linha da pobreza! É muita maldade, crueldade, perversidade, falta de caráter, sensibilidade humana, senso mínimo de humanidade!! E os autores raramente processados, condenados, punidos... Os milhões desaparecem, também em bens acumulados lá fora ou em paraísos fiscais depositados, por onde todos passeiam, frequente e folgadamente, e fica por isso mesmo, como se fosse o Brasil o "País da Pizza"! Da festa ou farra rotineira com o dinheiro público é, sem dúvida! E os bandos especializadas nessa área são formados ou organizados, hoje, com todo requinte e sofisticação, em conexões que atingem regiões inteiras no estado, incluída a capital, assim como o Distrito Federal!


        É preciso, ao menos, um serviço de limpeza pública amplo, eficiente e urgente, sem dúvida, porque não há quem aguente ou suporte mais tanta sujeira junta, tanto lixo, lixões e imundícies de toda ordem e espécie espalhados por todos os lados, cantos e espaços, a começar pela cabeça e coração de gestores/malfeitores eleitos pelo povo e suas malignas, doentias, malsãs e insalubres (indi)gestões!...          

| TRANSLATE THIS PAGE |