terça-feira, 31 de maio de 2016

Crônica

BUTIQUIM

 * Aristônio Canela


Entre o universo e as criações humanas, há uma esquina mágica. De geração em geração, o lugar passa por redimensionamento, inclusive na sua arquitetura, tomando, é claro, as características e tendências de época, sem, entretanto, perder o charme. Frequentadores são exponenciais, compondo-se em gestos, roupagens e termos próprios e o lugar vira uma sequencia de ditames cósmicos. Parece-me, em meus devaneios bizarros, quase sempre madrugueiros, constatar a presença de figuras AD ETERNAS, todas imbuídas de suas capacidades influenciatórias, principalmente através da degustação de um bom vinho.

Naquele momento, consagrava-se um altíssimo papo de línguas soltas e irreverentes, deixando no espaço suas belezas fulgurantes. Estavam o fogo, a terra, a água e o ar já envolvidos pela etilidade. Seus argumentos fluíam naturalmente, sem nenhuma jactância ou orgulho tolo, mas transbordantes de prazer.

O FOGO recitava sua capacidade de aquecimento, derretendo a matéria, moldando-a em novas criações. A TERRA expunha sua doce maternidade num útero sempre grávido de sementes inacabáveis do bem. O AR cantava seu oxigênio inundador de pulmões do infinito, livrando-os de impurezas. A ÁGUA escorria lânguida e sensual, aleitando a vida de criadouros e criaturas. Era, de fato, uma conversa de quatro titãs, para calar todas as bocas e escancarar ouvidos. De repente, explodida talvez da mente de algum poeta insone, a libélula pequenina, de pescoço longo e delgado, olhos dengosos, corpo esbelto de saiote e sapatilhas, linda... Linda... linda e esvoaçante, dançou uma dança repleta de graça e singeleza, ao ritmo de uma música divina.

Depois, bem devagar, perante os quatro elementos, fez uma reverência graciosa e, pelo sorriso, lhes disse: "OS SENHORES JUNTOS SÃO A PRÓPRIA EXISTÊNCIA". Eles, flechados nos corações, prostraram-se de joelhos diante daquela centelha de harmonia e beleza. Com humildade, juraram-lhe amor por todos os tempos, pois reconheceram que a ARTE é o verdadeiro BEIJO DE DEUS.




* Membro da Academia Montes-clarense de Letras - AML e da Academia de Letras, Ciências e Artes do São Francisco - ACLECIA                                              

domingo, 29 de maio de 2016

- REFLEXÃO -

“Na percepção do tempo experimentamos o desconforto de morrer um pouco todo dia. Fica mais suportável se dispensarmos o que não nos edifica.

Só é razoável nutrir vínculos com pessoas e realidades que nos motivem a buscar o melhor de nós.

O amor próprio é o crivo para o discernimento. Se precisamos abrir mão dele para obter o que pretendemos, melhor rever as escolhas.

A nossa proteção nos chega e é mantida por meio de escolhas inteligentes...”

- Pe. Fábio de Melo. -

sexta-feira, 27 de maio de 2016

ATÉ QUANDO?!

CRIME HORRENDO ABALA O PAÍS E O MUNDO: JUSTIÇA JÁ!... 

* Raquel Mendonça


O crime de estupro não é, lamentavelmente, incomum, ao contrário, alcança estatísticas aterradoras em inúmeras partes e localidades! Mas o estupro coletivo de que foi vítima uma jovem, uma menina de dezesseis anos no Rio, chocou, estarreceu o país e o mundo! A que ponto pode chegar esse tipo de violência contra a mulher, desde o assédio moral ao estupro?! Como pode acontecer algo tão inadmissível, infamante, abominável e arrasador?

Mais de trinta monstros, verdadeiros lixos humanos, violaram, violentaram sexualmente a jovem, que amanheceu nua, em dores, sedada, sangrando, cercada de homens repugnantes a empunharem fuzis e pistolas, como se tivessem protagonizado um ato heroico! Pior, alguns deles foram às redes sociais para "comemorarem" o feito, tornando público vídeo do crime por eles cometido, expondo ainda mais intimamente a moça. Broncos, beócios, boçais - do que foram esses asquerosos machistas capazes?! E que dúvida ainda pode pairar sobre o caso mais que chocante, se eles, os autores, o admitem pública e euforicamente?! Devem ficar todos - todos - ao lado da vítima e não dos vermes!...

Sem dúvida preocupante o fato de que houve muitos a compartilharem, a apoiarem o ocorrido, quando a maioria não doentia ficou completamente indignada, horrorizada, com natural e total repúdio, aversão.

Nada justifica ato tão torpe, insano e desumano! Falar que foi a vítima a provocar o ato, então, é completamente desprovido de decência! Que importam as vestes da vítima, se ela é ou não sexualmente liberada - como os homens culturalmente o são e são aplaudidos por isso! - Nada, absolutamente nada pode justificar o crime perverso, amoral, hediondo que a mutilou, corpo e alma, ou ser usado em favor dos criminosos, sem ofender e agredir a mulher em geral em sua liberdade, em sua dignidade, em seu direito!

Até o pior dos criminosos, cumprindo pena, repudia o crime de estupro, não aceitando, nos mais diversos presídios, homens que tenham sido capazes de tal ação! Muitos deles são surrados ou condenados à pior sentença dentro de cadeias, onde despertam repulsa, raiva e ódio ao extremo!                             

Esta é apenas uma das formas infames de violência contra a mulher ainda vigentes no país e boa parte do mundo, onde a educação, a formação ética e moral são, no mínimo, deficitárias, com os valores essenciais, reais sendo, no mais das vezes, desconhecidos! Que todas as mulheres se unam neste momento em que nos vemos atingidas tão vil e terrivelmente por esse ato de selvageria, porque leviano seria fechar os olhos para a realidade dos fatos havidos, de forma indiscutível, contundente, e amplamente divulgados! E falar em "consentimento" é brincar com os sentimentos de todas as mulheres do mundo!...

Poderia ser a filha de um, a neta de outro, a esposa de algum! Poderia ser qualquer mulher no mundo, até mesmo a mais pudica delas, vestida dos pés à cabeça! Ainda que completamente nua, andando pela rua, quem disse que isso justificaria corrida à conjunção carnal, ao coito forçados?! Espera-se do homem em geral não a carne fraca de bichos, mas a consciência de que a mulher merece tanto respeito quanto ele, em qualquer que seja a situação! As diferenças, as desigualdades que insistem em sobreviver à incessante luta feminina por seus direitos, ao longo de tanto tempo, precisam ser de todo vencidas, com a colaboração e participação de homens educados, civilizados!

Neste caso, que mulher não se sentiu atingida e não experimentou a revolta, a ira e/ou a densa lágrima?! Constranger uma moça, uma adolescente, ameaçá-la, submetê-la a uma verdadeira tortura sexual, deixou-nos a todas estupefatas com tamanha crueldade, perversidade, iniquidade, atrocidade!!

A sociedade brasileira e mundial estão horrorizadas com o que houve e esperam que a justiça se faça, sem morosidade ou excesso de cautela! Que tamanho zelo é esse com tais bestas feras?! Com vídeo em mãos jorrando verdade, não há o que discutir, o que investigar, o que verificar, se até mesmo fotos, comentários sórdidos acerca do triste episódio estão à disposição da justiça para a comprovação do crime e prisão dos culpados! Que os criminosos sejam todos identificados, processados e punidos, mas já devidamente detidos os localizados, porque, senão, corremos o sério risco de banalização de tal barbárie!!!


Que a justiça se faça! E que seja rápida! Justiça já!...


* Fundadora e ex-presidente do 1° Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher de Montes Claros - 27.05.2016



#EstuproNãoÉCulpaDaVítima








LEIA.


ASSISTA.


E REAJA!


POR TODAS ELAS.

- REFLEXÃO -

"A abordagem superficial é sempre o caminho mais fácil. Dá trabalho sondar o antes do que vimos. Mas só assim acessamos a verdade.

Dizemos conhecer alguém a partir de breves impressões, encontros esporádicos. Da empatia ou antipatia estabelecida julgamos já conhecer.

Abandonamos a idiotice quando reconhecemos que outro é bem mais do que podemos fazer caber na estreita caixinha de nossas opiniões.

Um silêncio sobre quem não conhecemos soa mais inteligente que palpites embasados por achismos.

E embora tenhamos livre acesso aos contextos da comunicação, fato que podemos comemorar, vale lembrar que nem sobre tudo já sabemos opinar.

Eu me calo com a mesma disposição com que falo. Este é o jeito que encontrei para não perder a minha humanidade.

Não me apresso em opinar sobre muitas coisas. O tempo se encarrega de desembrulhar o mistério. Enquanto isso eu presto atenção. "

- Pe. Fábio de Melo -

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Crônica

A MULHER E CASOS EMBLEMÁTICOS DE VIOLÊNCIA

 * Raquel Mendonça


Ao longo de décadas, pude acompanhar de perto o acontecer e desenrolar de casos e mais casos de violência contra a mulher, na imprensa e fora dela, um deles na casa ao lado onde acabara de me mudar, há cerca de trinta anos atrás.

O Perfil do homem ou parceiro agressor está, no mais das vezes, relacionado ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas ou ao uso de drogas ilícitas! O ex vizinho bebia até cair, dia sim, no outro também. A mulher? De pequena estatura, com três filhos menores, ao lado de um "esposo" de alto tamanho e providencial magreza - que o tornava ainda mais frágil, especialmente quando embriagado -, mas que costumava espancá-la cruelmente, segundo relato de vários vizinhos.

Era fim de tarde, acabara de chegar do trabalho, quando ouvi gritos de socorro partindo da casa de fundo. Era a voz dela, deduzi: "Socorro, me ajudem! Ele vai me matar!" Atirei a bolsa e pastas no sofá da sala e, no terceiro ou quarto pedido de socorro, já estava na porta da casa deles, que consegui ultrapassar, quando me deparei com a seguinte e sinistra cena: ele, mesmo torto, cambaleando, tentando alcançá-la, com uma arma de cozinha enorme nas mãos, e ela correndo e gritando em redor da mesa da copa, no rosto o pânico, o pavor do risco de morte iminente.

Estava tão embriagado e concentrado no que queria fazer, ou seja, assassinar a mulher a facadas, que não me viu me aproximar por trás, segurar e sacudir-lhe firmemente o braço direito, não antes de atingir-lhe as costas, quando a imensa faca caiu, ele também! Ainda a segurar-lhe o braço, avancei sobre o seu corpo, conseguindo imobilizá-lo, pedindo à senhora saísse dali e levasse os seus filhos!

Aí os vizinhos curiosos começaram a se aproximar, quando gritei a um deles: dá pelo menos para chamar a polícia?! Aí dois homens da vizinhança se encheram de repentina coragem e me ajudaram a segurar por inteiro o molambo humano, que mal se mexia, até a polícia chegar e levá-lo preso por tentativa de assassinato.

"A senhora não devia ter feito o que fez", me disse outro vizinho, que soube depois batia também na mulher. E completou: "Em briga de marido e mulher não se mete a colher". Tem razão, respondi-lhe, sem nenhuma "paz-ciência"! "Uma colher de nada vale, meu senhor, a não ser que seja de madeira, grande o bastante, ou, melhor, de ferro, por exemplo"!!! Ele se calou e se afastou de vez.

A mulher, soube depois, pegou os três filhos pequenos e mudou-se para local ignorado, em São Paulo, não antes de me procurar para agradecer o gesto que lhe salvara a vida. "Não me deve nada, e sim a Deus que lhe deu forças para reagir! Quantas mulheres não passam pelo mesmo caladas, submissas, subjugadas?!"

Segundo a renomada psicóloga Mara Silva Lourenço, "geralmente, os agressores de mulheres são transgressores de normas, têm desvio de conduta e atitudes agressivas com pessoas ou atos de crueldade com animais." E chama a atenção para gestos extremamente egoístas ou a dificuldade em aceitar contrariedades, atitudes que demonstram um perfil agressivo do parceiro ainda na época do namoro ou noivado, mas que, muitas vezes, passam por elas despercebidos.

Outro caso de que tomei conhecimento recentemente ocorreu também no passado, quando o pai de amiga, já falecido, cansou-se de ver, repetidamente, cenas de violência na casa ao lado, com o marido espancando a mulher, fazendo os filhos correrem apavorados para a sua casa - não havia cerca ou muro entre os quintais - e se agacharem uns sobre os outros no seu quarto, em pranto sofrido!

Ele chamou a mulher um dia e lhe perguntou porque ela se deixava agredir daquele jeito. Se ele era mais forte fisicamente do que ela, aconselhou, "Pegue um pedaço de pau -, sugerindo a lenha que usava no fogão -, e bote-o para correr! Seus filhos estão sofrendo muito também. Choram o tempo todo! É de fazer dó", argumentou. (Um deles não superou os traumas de infância e ficou com transtornos mentais). E foi o que ela fez, para surpresa do agressor. Quando ele chegou ameaçando-a de violência e aproximando-se agressivamente dela, recebeu uma inesperada paulada, que o fez cair desmaiado, situação em que havia deixado tantas vezes a mulher, após impiedoso e cruel ritual de espancamento!

Um vizinho, também marido violento, amigo do agressor - gambá cheira gambá! - chamou a polícia (por que nunca havia denunciado o agressor?), ela foi levada presa - pasme! - mas logo solta, por se entender que agira em legítima defesa!
Final da história?! O esposo espancador fugiu para local ignorado, e dele nunca mais se teve notícia, para felicidade da pobre mulher e de seus cinco filhos!!!

O triste episódio de mais de uma centena de mulheres operárias em greve por melhores condições de trabalho e salário em Nova York, trancadas e incendidas na fábrica de tecido (1957) deu origem ao "Dia Internacional da Mulher"! Como disse o Sargento Antônio José Rodrigues Rocha, comandante da Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica em Montes Claros, em mais uma campanha social importante, agora contra a violência doméstica, "o objetivo principal é despertar na comunidade o envolvimento para com a questão da violência contra a mulher. Devemos quebrar padrões de comportamento social e entender que em briga de marido e mulher devemos meter a colher. A cada dia, mais casos de violência contra a mulher são registrados. Precisamos todos acordar para o problema."

Coordena mais esta Campanha social, agora de Combate à Violência contra a Mulher, que deve ser contínua, o grande e querido Padre Bessa, que explica: "Nosso objetivo é demonstrar nosso carinho (distribuindo rosas) pelas mulheres e conscientizá-las da importância de combater e denunciar qualquer tipo de violência, incentivando denúncias de qualquer tipo de violência contra a mulher."

A luta é de todos, não somente das mulheres, mas também e de modo especial de homens conscientes de que a violência doméstica contra a mulher é um ato ignóbil de covardia, que mata milhares de mulheres em todo o mundo, marcando, para sempre, filhos também agredidos fisicamente, muitas vezes, e psicologicamente, todas as vezes em que veem a mãe sofrer atos de violência!...

Em briga de marido e mulher se mete, sim, a colher! Antes que seja tarde demais.



* Fundadora e Presidente do 1° Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher de Montes Claros

- REFLEXÃO -

"A crise política oportuniza o bom senso apartidário. Honestos e bandidos coabitam em Brasília. É a hora de unir forças para identifica-los.  

Na tentativa de defender pessoas e partidos, muitos se esquecem da busca pela verdade. Até quem define a verdade precisa ser vigiado por nós.

O desencantamento político, fato inegável entre nós, pode ser positivo no futuro. Ficamos mais lúcidos quando nos livramos das paixões.

E também lamento a instrumentalização inescrupulosa do discurso religioso dentro do contexto político. É a banalização do sagrado.

Motivamos o desrespeito a Deus quando o usamos como proteção para nossas hipocrisias."

- Pe. Fábio de Melo. -

terça-feira, 17 de maio de 2016

CRÔNICA

ÁGUA NA PENEIRA

* Aristônio Canela


As lembranças, quando querem, são grandes atrizes e nos fazem viver uma ribalta diferente a cada apresentação. Desta maneira, o feitiço do tempo nos impregna muito mais ao sobejar cabelos brancos. Fica, então, a fogocidade do cérebro, um afrontador galopante, rompedor de fronteiras e gostador de desafios, estumando músculos doídos, ossos resmungões e olhos opacos em tortas imagens.

Mesmo diante do quadro, meu jasmineiro floriu. Aquela cobertura de petalinhas brancas, como se fosse grinalda de noiva, contrastava com seu verdejamento corpóreo, de uma esperança de tirar o fôlego.

Plantado por Dindinha Júlia bem ali do lado direito da minha casa, a Rua Afonso Pena, sem calçamentos, desnudava toda minha infância. Sua postura altaneira altaneirava mais ainda o caramanchão de madeira enfeitado por ele. Em tardes quase todas quentes, ao feitio do sertão, vinha eu, embalado por sonhos, assentar a seus pés, ávido de sombra e paz. Seu cheiro, invasor de mim, estimulava minhas afoitas vontades de mudar a história do mundo.
                                       
A natureza tem seu caminhar de passos certos, sempre dispostos a novas revelações. Trôpegos são os nossos!

Os jasmineiros, livres por vontade divina, exalam seus aromas pelo amor profundo à mãe-terra, enquanto homens subjugam seus atos a um certo senhor "BOM SENSO". Pecado! Que tentativa mais grosseira de esconder limites! Ora, convenhamos! Vontades são as mesmas, ímpetos os mesmos e o sabor das aventuras rodopia em nossas bocas, mas a verdade corta crua a carne. Bom senso? Eufemismo! Falta mesmo, a olhos limpos, VIGOR FÍSICO.

Assim, empunhando uma bandeira de pura rebeldia, resquício de coração tocador de tambores, arautos de guerreiros invisíveis moradores de meu sangue, não aquieto a mim. Vou por aí, montando uma montaria mais mansa, é bem certo, sem, entretanto, deixar o orgulho de aventureiro bater asas e me fazer beijar os lábios da solidão.



*Membro da Academia Montesclarense de Letras

quinta-feira, 12 de maio de 2016

EXPOSIÇÃO INDIVIDUAL DE PINTURA



O excepcional artista plástico ONOFRE SANTOS estará realizando, no período de 18 a 25/05/2016, grande Exposição Individual de Pintura (Óleo s/ Tela), "Por onde andei...", na Galeria de Artes Godofredo Guedes do Centro Cultural Hermes de Paula, com apoio cultural da Consul Prime, Casa de Cultura Márcia Prates (Galeria de Arte), onde é Professor de Pintura; do artista plástico Carlos Araújo (Esculturas - Pinturas), da Associação dos Artistas Plásticos de Montes Claros e da Secretaria de Cultura/PMMC. Participe!...


| TRANSLATE THIS PAGE |